MARACUJÁ-DOCE BRS MEL DO CERRADO GANHA MERCADO DE FRUTAS ESPECIAIS


Foto: Fábio Faleiro

Valorizado, maracujá-doce alcança preço até quatro vezes maior que o azedo

A primeira cultivar da espécie Passiflora alata Curtis registrada e protegida no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), BRS Mel do Cerrado, abriu aos fruticultores brasileiros o seleto e valorizado nicho de frutas especiais. A qualidade e o sabor adocicado são os diferenciais dos frutos, que chegam a alcançar preço até quatro vezes superior ao do maracujá-azedo. Desenvolvida pela Embrapa, a cultivar de maracujazeiro-doce tem dado bom retorno financeiro aos produtores e seu fruto recebeu ótima aceitação dos consumidores.

No momento, a cultivar é indicada para a região de Cerrado, no Distrito Federal, Goiás, Minas Gerais e Tocantins. Há trabalhos de validação em andamento em outras regiões brasileiras, incluindo o Sul, o Norte e o Nordeste.

O agricultor familiar Gilmar Santos plantou 250 mudas em sua propriedade em Pouso Alegre (MG) logo após a cultivar ter sido lançada, em dezembro de 2017, e não se arrepende. Ele está em plena colheita e estima que cada planta tenha produzido, em média, 150 maracujás, o que dá cerca de 37,5 quilos por planta.

“Temos muito mais frutos nesta próxima colheita, as plantas estão mais carregadas. Eu as vendo em caixas de papelão, cada uma com cinco ou seis maracujás, dependendo do tamanho deles, e embalo um por um com papel específico, igual à goiaba, para não machucar a casca. Cada caixa saiu de R$ 15,00 a R$ 19,00 – um ótimo preço”, comemora o produtor.

Os maracujás saem de Minas Gerais, da chácara São José, e vão para São Paulo, onde são comercializados na Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), em um mercado que atua com frutas especiais exóticas, disputando espaço com o melão Andino, a granadilla do México e a graviola-baby da América Central, por exemplo. “Eu colho as frutas bem cedo, o pessoal do transporte busca a carga por volta das 15h e às 5h da manhã do outro dia, elas já estão em São Paulo para serem vendidas”, conta.

Quando dispostas no mercado, uma das frutas é cortada para que os clientes possam experimentá-la. “Essa é a tática de venda adotada para mercadorias diferentes e é muito importante no caso desse maracujá, também porque a fruta por si só não atrai pelo seu visual”, explica o vendedor Celso de Oliveira. Mas o retorno é certo. Apesar de não ser uma venda rápida, justamente por se tratar de um produto pouco conhecido pelos consumidores, o resultado é bom, já que a novidade tem agradado aos clientes. “A fruta é maravilhosa, uma delícia. Todos que provam gostam. Vou continuar trabalhando com ela aqui no mercado”, garante Celso.

O vendedor disse que já conhecia o maracujá-doce de uma produção que recebia de Janaúba, em Minas Gerais, há uns seis anos. Mas em relação ao Mel do Cerrado, Celso diz que a variedade melhorada pela Embrapa tem melhor sabor e mais tempo de prateleira do que a fruta nativa, apesar de ainda ser um período curto, cerca de uma semana depois de colhida. Depois desse prazo, a fruta começa a amolecer.

Colheita precoce em períodos quentes
O amolecimento da ponta das frutas é um dos principais problemas da espécie P. alata, fato que é agravado nos períodos mais quentes do ano. “A alternativa é colher o fruto no início do amadurecimento, assim que começar a mudança de cor,” recomenda o pesquisador da Embrapa Cerrados (DF) Fábio Faleiro, um dos responsáveis pelo desenvolvimento da cultivar. Outra medida é realizar a pulverização foliar com cálcio para aumentar a consistência da casca dos frutos. O cientista ressalta que o amolecimento da ponta do fruto não está relacionado a pragas ou doenças e tem menor ocorrência nas épocas mais frias.

Gilmar Santos conheceu a cultivar BRS Mel do Cerrado em uma reportagem de TV e de imediato se interessou pela planta: “Fiquei um pouco receoso em plantar uma fruta diferente, mas resolvi arriscar. Não me arrependi. Estou conseguindo ganhar um bom dinheiro com ela. Pagam muito mais pelo maracujá-doce do que pelo azedo”, explica.

“Quem experimenta o maracujá-doce gosta e elogia seu sabor e se impressiona com o tamanho do fruto”, conta o produtor. A nova fruta tem conquistado os consumidores, tanto que a pequena plantação a céu aberto não consegue atender a demanda. O agricultor diz que já recebeu pedidos de mercados locais e de pessoas conhecidas, mas sua produção só é suficiente para atender o mercado paulista. “Estou com a ideia de aumentar a produção. Vou aproveitar uns mourões e uns arames de outra cultivar que não deu certo aqui e vou plantar mais maracujá-doce”, planeja Gilmar.


Adaptação a diferentes tipos de produtores
Os custos de produção do maracujá-doce variam conforme a capacidade de investimento do produtor, já que a cultivar pode ser plantada a céu aberto, em pequenas propriedades, em sistema orgânico e também em estufa, explica Faleiro. “Não existe um pacote tecnológico para essa cultivar, ou seja, o agricultor pode produzir o maracujá dentro da sua realidade de investimento”, esclarece.

Agricultores periurbanos confirmam isso. Valdete Frota cultivou 50 mudas em sistema orgânico. Na primeira carga, foram colhidos 146 quilos de frutos, já descontadas as perdas. O produtor entregou parte da primeira safra para uma banca de orgânicos de Sobradinho (DF). Em dois dias, foram vendidos 40 quilos. Também forneceu os frutos a supermercados da região. “Um deles, ao experimentá-lo, me pediu mais 30 quilos. Mesmo sendo um fruto desconhecido, vendeu muito bem. E nem usamos o apelo do orgânico”, afirma, satisfeito com os resultados iniciais.

Agora que se mudou de Brasília (DF) para uma propriedade em Formosa (GO), Frota planeja aumentar o investimento na BRS Mel do Cerrado. “A experiência foi boa. Eu consegui vender por volta de R$ 5,00 o quilo. É melhor que produzir vinte quilos do outro [maracujá-azedo] e vender a R$ 1,50 na safra. Agora em agosto ou setembro eu vou plantar 500 mudas”, planeja.

Mesmo sabendo que se trata de um mercado novo, Frota está confiante de que mais uma vez fará uma boa venda: “Apesar de não ter oferta, assim que eu começar o plantio, vou sair para procurar clientes. Vou atrair pela novidade, a fruta é bem saborosa e muito cheirosa. Vou às feiras de produtos orgânicos. O pessoal do orgânico é mais aberto a novas experiências. Isso pode ajudar a vender e a conquistar mercado”, acredita. Frota diz que a variedade da Embrapa sofre menos com virose do que as outras de maracujá-doce, não atrapalhando o desenvolvimento nem a produtividade da planta.


Vantagens e diferenciais da cultivar
O produtor de Brazlândia (DF) Mauro César Santos, que participou do teste de validação da cultivar, destaca o fato de as flores se abrirem pela manhã, enquanto as do maracujazeiro-azedo se abrem à tarde. Isso permite melhor aproveitamento da mão de obra na propriedade. “É possível colocar um funcionário para polinizar o maracujazeiro-doce de manhã e o maracujazeiro-azedo, à tarde”. O produtor explica que otimizar a mão de obra é importante para a saúde financeira do negócio, considerando todos os tratos culturais como adubação, podas e irrigação.
Compartilhe no Google Plus

Sobre CHICO DUVALLE

Chico Duvalle - Jornalista DRT-MA 1741 / Radialista DRT-MA 1008
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário